CORONELISMO BIZARRO | “Ciro Gomes, se você acha que é dono do estado do Ceará, a milícia aí também faz parte da sua propriedade”

Sandro de Moura | Jornalista e Escritor

Todo mundo sabe que no nordeste brasileiro em especial nas regiões mais pobres os “coronéis” são donos das poças d’águas (açudes, carros pipas, etc),  se acham no direito de dar nome à todos monumentos públicos que tenham um mínimo de relevância e ou mesmo alguma visibilidade, se acham “os donos do pedaço”.

Não é que o coroné (senador licenciado Cid Gomes) ignorou os “novos tempos” e quis manter sua fama de dono da cidade?. É dantesca a cena senão inacreditável no vídeo que circula na internet registrando do começo ao fim este bizarro e lamentável episódio de coronelismo do Cid.

Pelas mídias sociais ele avisa que estará chegando “na sua cidade” – Sobral – no interior do Ceará e, convocou a população para estar lá, para juntos resolverem do seu jeito o que ele chamou de ação criminosa dos policiais “em greve”. E foi…

Chegando em Sobral, discursa – deixando clara a intenção do teatro para composição de faturamento político – e investido do papel de coroné, com um megafone na mão deu ordem para que os policiais grevistas (amotinados) e seus familiares, saíssem do quartel em cinco minutos, improrrogáveis cinco minutos! Enfatizou.

Cercado por centenas de militantes e sendo contrariado na “sua ordem” Cid subiu em uma máquina retroescavadeira dirigindo-a em direção às suas vítimas.

A pergunta que não quer calar: Se o Cid Gomes está licenciado do senado, sob qual autoridade ele estava investido para estar ali naquela manifestação? à resposta também está no vídeo do próprio Cid “como cidadão de bem ele iria reagir” ao que chamou de “crime dos policiais”.

Perguntamos outra vez: E os cidadãos de bem podem sair por aí a subir em retroescavadeira e passar por cima do que esta errado? em que Estado o Cid vive?

Segue a cena… O coroné joga a máquina sobre um portão que separa os amotinados grevistas da sua claque convocada pelas redes sociais. Cena circense se não fosse dramática.  Avança com a máquina sobre as pessoas.

A MILÍCIA É DE QUEM?

Ciro Gomes – Ex candidato a presidente da república – tentou colocar a fatura da irresponsabilidade do coroné Cid (seu irmão) no colo do presidente Jair Bolsonaro, isto até poderia colar na era pré internet, MUITA GENTE ASSISTIU ESTUPEFATO AO CURTA DO CID, logo, a gritaria do rejeitado Ciro, não cola.

Ele esbravejou ainda dizendo que “terão que matar ele e a família” antes de implantarem uma milícia no estado (Ceará) que ele pensa ser dele. De fato, a oligarquia dos Gomes e seus pares já mandam e desmandam por alí há muito tempo, pena que na prática o Ciro e sua turma não conseguiram constituir uma polícia treinada, motivada e bem remunerada. Isto que eles dizem saber fazer só em períodos eleitorais.   Não precisa morrer ciro, vida longa à você e a toda sua família, para que vocês assistam de perto o caos que vocês  semearam nesta região do país. Como você gosta de gabar-se e dizer que tudo por ai é seu, como você pensa ser “dono do estado” a milícia que você diz ter aí no Ceará , faz parte também da sua propriedade.

A  empáfia destes decadentes coronéis não resistem a uma análise da espessura do fio de um cabelo de sapo. No palanque eles tudo sabem, tudo podem, tudo fazem. Na prática, produziram pobreza, desigualdade social, acumularam poder e riquezas, são o que de pior existe na construção de uma Nação, pessoas que tiveram a oportunidade de humanizar relações, distribuir o pão, e não o fizeram. Triste este caos no estado do Ceará.

Lamentável ver policiais desobedecendo a Lei e colocando a população em risco, também lamentável saber que os policiais imitam seus superiores hierárquicos (governadores) que a todo tempo buscam satisfazer apenas seus proprios projetos de poder, sem olhar para a sociedade como um todo. Este arroubo do Senador Cid Gomes certamente será um dos últimos suspiros de bravatas desses derrocados coronéis do nordeste brasileiro.  Queiram ou não, estamos sobre o advento de um novo tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *