Wilson Witzel, mais um governador do Rio de Janeiro acusado de corrupção


Como esperado, Wilson Witzel (PSC) não resistiu no cargo de governador do Rio de Janeiro. A dúvida não era se, mas quando “cairia” mais um mandatário do Estado desde que o seu nome entrou na lista de investigados da Operação Placebo, que apura as irregularidades na contratação de hospitais de campanha, compra de respiradores e medicamentos no contexto do combate à Covid-19.

O afastamento do governo, pelo período de 180 dias, foi determinado na sexta-feira (28/08) pelo ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que concluiu que os elementos colhidos a partir das diligências empreendidas na Operação Placebo, assim como nas operações Favorita e Mercadores do Caos, comprovam indícios suficientes do envolvimento de Witzel aos crimes de corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de capitais.

Junto a essa decisão, o ministro também determinou a prisão preventiva de outros seis investigados, porém, recusando o pedido encaminhado pelo Ministério Público Federal (MPF) de prisão para o governador por entender que seria suficiente o seu afastamento do cargo para interromper as supostas atividades de corrupção e lavagem de dinheiro.

Para Benedito Gonçalves as investigações demonstram que os crimes foram cometidos por meio de contratos fraudulentos para além do campo das ações de combate à pandemia da Covid-19, revelando uma estrutura gestada e financiada antes mesmo das eleições de 2018.

Agora é aguardar o processo de impeachment de Wilson Witzel que foi liberado para retomada na Alerj pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na mesma sexta-feira em que foi afastado do cargo de governador. A previsão é que o pedido de impeachment, que estava paralisado por liminar do ministro Dias Toffoli (STF), seja votado em duas semanas.

A dúvida agora é se o governador em exercício, Cláudio Castro (PSC), não cairá junto – já que também é alvo de investigações e foi citado nas delações do ex-secretário de saúde do governo Witzel.

Cleber Araujo – jornalista/RJ
Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *