Calendário da Cepe homenageia Paulo Freire no ano do centenário de nascimento do educador


 cepe

O pernambucano Paulo Freire (1921-1997), patrono da educação brasileira e um dos mais respeitados pedagogos de todo o mundo, é a figura em destaque do calendário 2021 da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe). Essa é a primeira iniciativa lançada pela editora no ano em que se comemora o centenário de nascimento do educador. Integra as ações que serão realizadas pela comissão especial instituída pela Assembleia Legislativa de Pernambuco, responsável pela programação oficial dos cem anos de nascimento, da qual a Cepe faz parte.

Em texto e imagens que remetem à temática da educação, o calendário pontua a história, legado e bandeiras defendidas por Paulo Freire ao longo dos seus 76 anos. “É uma homenagem ao educador Paulo Freire: cidadão do mundo, patrono da educação nacional, andarilho da esperança, brasileiro, recifense, gente. É um convite para todos(as) estudarem o legado freireano, e, de modo singular, conectarem-se a ele para construir um Brasil livre, fraterno e justo”, destaca na apresentação Targelia de Souza Albuquerque, docente e pesquisadora da Cátedra Paulo Freire da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Centro Paulo Freire de Estudos e Pesquisas.

Brennand – O calendário conta com fotos assinadas pelos fotógrafos Jarbas Oliveira, André Teixeira, Diego Nigro, Rivaldo Gomes, Teresa Maia, Gabriela Romeu, Hélia Scheppa, Bruno Kelly, Sergio Amaral, Paulo Mumia, Hassan Santos e traz na contracapa os dez desenhos criados pelo artista plástico Francisco Brennand para o Programa Nacional de Alfabetização (PNA), criado em 1963 e coordenado por Paulo Freire. As dez fichas do diafilme guardam em si a base do método de Paulo Freire, estimulando o processo de alfabetização de adultos a partir de suas realidades,  adotando  para tanto “palavras geradoras” para a apropriação de novas palavras, domínio da escrita, desenvolvimento crítico e compreensão do mundo por parte dos alunos.

Esse revolucionário sistema de alfabetização foi adotado pela primeira vez em 1963, na Escola Estadual Professor José Rufino, em Angicos (RN), quando 300 trabalhadores rurais sem qualquer acesso à escola foram alfabetizados em 40 horas/aula. A sala da escola onde se deu a solenidade há 57 anos, que contou com a presença do presidente da República, João Goulart, e de Paulo Freire, foi escolhida para marcar o mês de janeiro. Em 1964, com o golpe militar, o Programa Nacional de Alfabetização foi extinto, Paulo Freire preso e obrigado a deixar o Brasil e as gravuras de Francisco Brennand salvas pelo acaso: por 30 anos permaneceram guardadas e preservadas dentro de uma velha geladeira. 

Vindo de uma família carente, Paulo Reglus Neves Freire nasceu no Recife, em 19 de setembro de 1921. Foi o caçula entre os três filhos do casal Joaquim Temístocles Freire, policial militar, e da dona de casa Edeltrudes Neves Freire, que o iniciou nas primeiras palavras usando para tanto gravetos e o chão de terra batida da casa onde moravam, em Casa Amarela. Perdeu o  pai aos 13 anos e só aos 17, começou o curso secundário no Colégio Oswaldo Cruz, graças a uma bolsa concedida por Aluízio Pessoa Araújo, que viria a ser mais tarde o seu sogro. No mesmo colégio, tornou-se professor de língua portuguesa. Aos 22 anos, ingressou na Faculdade de Direito do Recife e aos 23, casou-se com a professora Elza Oliveira Freire, sua grande companheira e incentivadora, com quem  teve cinco filhos.

Paulo Freire dedicou sua vida à educação e a entendia como meio essencial de transformação social e geradora de consciência política. Foi nomeado doutor honoris causa de 28 universidades nacionais e do exterior, tendo sua vasta obra traduzida para mais de vinte idiomas. O título Pedagogia do Oprimido está entre os cem livros mais solicitados em universidades de língua inglesa, sendo considerado a terceira obra mais citada em trabalhos de Ciências Humanas em todo o mundo. Vítima de um ataque cardíaco, Paulo Freire faleceu no dia 2 de maio de 1997.

Com tiragem de quatro mil exemplares, o catálogo 2021 da Cepe será doado para instituições e escolas das redes públicas de ensino. Também será oferecido como brinde nas compras acima de R$ 50,00 realizadas nas livrarias da Cepe Editora.

Fonte: Governo PE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *