HRN capacita enfermeiros do Hemoce para tratamento de lesões em pacientes com doença falciforme


Capacitação aborda, entre outros assuntos, tratamento de úlceras em pacientes com anemia falciforme atendidos.

O Hospital Regional Norte (HRN), da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado, está capacitando enfermeiros para o tratamento de lesões decorrentes da anemia falciforme, doença hereditária caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue. O treinamento é voltado para profissionais que atuam na unidade do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) em Sobral, responsável pelo acompanhamento de pacientes diagnosticados com o problema no município.

O curso é promovido pelo serviço de Estomoterapia do HRN, referência no tratamento de estomias e feridas agudas e crônicas. A enfermeira estomaterapeuta do hospital, Cláudia Galdino, destaca a importância da capacitação para qualificar o tratamento dos pacientes, que podem desenvolver úlceras. “A doença falciforme pode causar lesões ulcerativas. O HRN orientou profissionais do Hemoce acerca do manejo dessas lesões relacionadas à enfermidade”, explica.

A também enfermeira estomaterapeuta Eliziane Barros acrescenta que as úlceras em membros inferiores são as mais recorrentes em pacientes com doença falciforme. Os problemas, geralmente, surgem a partir de pequenas lesões ou fatores externos. “Abordamos também nessa capacitação o tratamento e a prevenção desse tipo de lesão recorrente em pacientes com doença falciforme”, pontua.

O HRN conta com um ambulatório de enfermagem em estomaterapia. O serviço existe há quase sete anos e atende pacientes de todas as idades, incluindo bebês, gestantes e idosos. O ambulatório é um espaço para acolhimento das pessoas após a alta hospitalar para verificação no caso de pacientes com feridas se a evolução dessa cicatrização está sendo favorável.

Doença Falciforme

A doença falciforme faz com que os glóbulos vermelhos do sangue (hemácias), em casos específicos, fiquem com o formato de foice. A alteração acontece devido a uma mutação no gene da hemoglobina, proteína que carrega o oxigênio dentro da hemácia, originando a hemoglobina S. Em algumas situações, como infecções, frio ou atividade física excessiva, as hemácias alteradas podem obstruir pequenos vasos sanguíneos, causando dor aos pacientes.

Tratamento

A doença falciforme é identificada durante o teste do pezinho. Ao receber o diagnóstico, o bebê é encaminhado para o Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), unidade da rede estadual, onde realiza o tratamento e acompanhamento até os 18 anos. Após a maioridade, o paciente é direcionado para o Hemoce, que acompanha 472 pessoas no Estado, sendo 72 em Sobral.

No município, o hemocentro conta com uma equipe multidisciplinar composta por médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos e assistentes sociais. “Quando os pacientes procuram o serviço precocemente e iniciam o tratamento adequado, têm uma maior rapidez na cicatrização das úlceras do que os pacientes que já têm lesões de longa data. O paciente com doença falciforme que tem úlcera precisa fazer um acompanhamento como um todo e não só tratamento da lesão”, destaca Luany Mesquita, diretora de Hematologia do Hemoce.

Fonte: Governo CE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *