Emoção marca quinto dia de imunização nas unidades do Estado; HGF tem vacina de n° 1.000


Uma gota de esperança. É o que representa a vacina contra a Covid-19 para todos aqueles que estão na linha de frente no combate à pandemia. Nesta sexta-feira (22), o Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), o Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara (HGWA), o Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart (HM) e o Serviço De Verificação de Óbito (SVO) iniciaram a imunização de profissionais da saúde. No Hospital Geral de Fortaleza (HGF), a vacinação continuou, atingindo a marca de mil imunizados. No Ceará, é o quinto dia de aplicação da Coronavac, substância produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. O planejamento só foi possível porque os diretores de cada unidade enviaram lista nominal para a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) e assinaram termo de responsabilidade.

Nesta primeira fase de vacinação no Hospital de Messejana, a prioridade da foi dos 572 profissionais que atuam na Emergência e na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Respiratória da instituição. O SVO também vacinou parte de seus servidores.

A primeira profissional a ser vacinada no Hospital de Messejana foi a enfermeira Luciana Modesto Pessoa, de 40 anos

A enfermeira Luciana Modesto Pessoa, de 40 anos, foi a primeira a receber a dose do imunizante. Ela atua no eixo Covid-19 da unidade desde o início da pandemia. Sob aplausos e emocionada, Luciana lembra do medo que sentiu quando soube que estava escalada para trabalhar na assistência aos pacientes com Covid-19 e da ansiedade pela chegada da vacina. “Eu tive medo, mas enfrentei. Foram dias difíceis, passamos por muitas dificuldades, perdemos pessoas queridas. Mas essa experiência foi um divisor de águas na minha vida e na minha profissão. Nem sei descrever a emoção que estou sentindo neste momento. É uma vitória estar aqui. Vamos começar uma nova história agora”, comemora.

Para atender a todos os profissionais e evitar aglomerações, uma força tarefa foi montada na unidade. Dois locais foram organizados e quatro equipes fizeram a imunização dos profissionais. O auditório principal recebeu os funcionários com as iniciais de A a L; e a Unidade de Reabilitação Cardíaca, os com as iniciais de M a Z. Além dos nomes, a divisão também se deu por setores e horários.

O pneumologista George Cavalcante Dantas foi o segundo profissional a ser vacinado no HM. Ele integrou a equipe da UTI Respiratória que recebeu os primeiros pacientes com Covid-19. Uma verdadeira batalha para salvar vidas. “Quando olho para trás e vejo tudo o que nós passamos para oferecer o melhor para os nossos pacientes, realmente emociona. Finalmente, a vacina chegou, isso renova nossas esperanças. Que possamos ter um 2021 melhor, que vidas sejam poupadas com a vacina”.

No momento agudo da pandemia, o HM chegou a oferecer 74 leitos de UTI Covid e 145 leitos de enfermaria para a doença. Um hospital de campanha também foi montado no estacionamento da unidade, com 36 leitos de enfermaria de média complexidade.

Primeira fase de vacinação no Hospital de Messejana vai contemplar 572 profissionais que atuam na linha de frente do combate à pandemia

Em meio a lágrimas de esperança, também houve algumas de tristeza. Nesta mesma manhã, antes do início da vacinação agendada para as 10h, os funcionários do HM despediram-se da companheira de trabalho, a cardiologista Lúcia de Sousa Belém. A profissional faleceu na tarde desta quinta-feira (21), vítima de um acidente de trânsito.

Vacinação: esperança de dias melhores

No Hospital Infantil Albert Sabin, que enfrentou a linha de frente contra o coronavírus para casos pediátricos, houve um misto de emoção e alívio. Para Rafaele Paiva, enfermeira da ala de reanimação do Hias e primeira a ser vacinada na unidade, a imunização representa o início de uma vitória. “O ano todo foi muito difícil, de muito sofrimento e muita angústia. Eu tive Covid-19, e ser a primeira a ser vacinada é emocionante, eu não tenho nem palavras”, afirma.

Na unidade foram disponibilizadas vacinas para os profissionais da linha de frente do Centro de Emergência e das UTIs 1, 2 e 3. “Somos profissionais de saúde, trabalhamos com amor, e estar na linha de frente trabalhando com esses pacientes é uma batalha. Foi difícil, mas muito gratificante doar o que temos para vencer essa doença”, sublinha Rafaele.

A enfermeira Rafaele Paiva, da ala de reanimação do Hias, foi a primeira vacinada do hospital

Com o cartão de vacinação em mãos, a médica pediatra da linha de frente Gilma Holanda resume o momento em uma palavra: “emoção”. “Durante essa pandemia, eu assumi um compromisso de honra, eu sou do grupo de risco, mas não deixei de trabalhar nenhum dia, nem nas minhas férias, tudo isso por vontade própria. Então esse momento é de muita emoção. Me sinto muito feliz em cumprir a minha obrigação”. Para ela, a vacina é uma esperança de dias melhores.

A técnica de enfermagem Lúcia Helena Araújo Costa, de 57 anos, foi a primeira colaboradora do (HGWA) a ser imunizada na unidade. Ela atua na linha de frente no combate ao coronavírus na (UTI) Covid Adulto. A emoção ficou estampada nos olhos da profissional, que atua há 27 anos na profissão – destes,13 no hospital do Estado. “Para mim, foi uma grande emoção receber a vacina que tanto esperávamos. O período da pandemia foi muito difícil, de muitos medos e expectativas, mas não perdemos a esperança. Tive que superar tudo para dar o meu melhor”, diz.

Quem aplicou a primeira dose da vacina foi a enfermeira do Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) Rosy Freire. “Fico feliz e honrada de estar nesta posição de vacinadora por estar contribuindo. O dia de hoje é um marco para nós do HGWA por tudo que estamos vivenciando no mundo todo. Todos estávamos esperando ansiosamente por esta vacina e o dia chegou”, declara.

A técnica de enfermagem Lúcia Helena Araújo Costa, de 57 anos, foi a primeira imunizada no HGWA

Além de Lúcia Helena, outros 352 profissionais do HGWA que atuam na linha de frente no enfrentamento à Covid-19 serão vacinados nos próximos dias. Entram na primeira fase os colaboradores da UTI Adulto, Clínica Médica 3, Time de Respostas Rápidas (TRR), Pediatria, Imagem, Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) e do Serviço de Assistência Domiciliar (SAD).

HGF aplica dose de n° 1.000

O HGF alcançou a marca de 1.000 profissionais vacinados contra a Covid-19 na unidade por volta das 12h40 desta sexta-feira (22). A dose foi aplicada na profissional de serviços gerais Sônia Cláudia da Silva. “Estou muito feliz porque é uma segurança a mais para nós, profissionais do hospital. Principalmente para mim, que já tenho problema de coração e atuo em áreas de risco”.

Sônia Cláudia da Silva, profissional de serviços gerais do HGF, recebeu o imunizante de número 1.000 na unidade

Para Arilene Cândido, enfermeira e coordenadora da Sala de Vacina do HGF, o marco é um momento histórico. “Satisfação de estar fazendo o melhor pelos nossos funcionários, que cuidam e precisam ser cuidados. É dar esperança de uma nova vida para essas pessoas”.

Fonte: Governo CE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *