Mais de 1.200 animais silvestres foram apreendidos em um ano

O mês de março de 2021 teve o maior número de entradas de animais na Adema, com 233 ao todo.

Mais de 1.200 animais silvestres foram resgatados de áreas urbanas nos últimos 12 meses em Sergipe. As capturas realizadas pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) dão conta de que o mês de setembro deste ano teve um crescimento considerável de apreensões, já que registrou 57 animais resgatados, enquanto no mesmo período em 2020 foram 11 ao total. O mês de março de 2021 teve o maior número de entradas de animais na Adema, com 233 ao todo.

Por outro lado, o órgão realizou a soltura ou encaminhamento de cerca de 820 deles. A apreensão mais recente aconteceu na última quarta-feira, 15, com 15 aves da fauna brasileira de 11 espécies localizadas no Município de Pinhão, no Agreste Central de Sergipe, em cativeiro irregular. Nas últimas semanas, animais como gambás, corujas, capivaras, tamanduás-mirins, iguanas e outros tipos de lagartos, serpentes, gaviões e guaxinins foram resgatados de diferentes localidades do Estado. As espécies são inúmeras: mais de 30 entre aves, répteis, mamíferos e aquáticos. Todos eles passam por uma série de exames veterinários ao darem entrada na Adema para, em seguida, serem devolvidos à natureza.

De acordo com a Comunicação da Adema, a mancha deste tipo de crime ambiental está nos 75 municípios sergipanos. “Os maiores nessas ações são Estância, Lagarto, Itabaiana, Aracaju, Propriá, Ribeirópolis, Glória, Tomar do Geru e Carira, entre outros”, informa. O trabalho da Adema segue em acordo com o artigo 5º da Declaração Universal dos Direitos dos Animais, que tem objetivo assegurar que “todo animal pertencente a uma espécie ambientada tradicionalmente na vizinhança do homem, tem direito a viver e crescer no ritmo e nas condições de vida e de liberdade que foram próprias de sua espécie”.

Portanto, pessoas que mantêm animais exóticos em cativeiros, sem comprovante de origem ou identificação, está cometendo uma infração. E em caso de constatação de maus-tratos, fica sujeito a penalidades criminais e administrativas, conforme os artigos 31, 32. “Entretanto àqueles que mantêm animais silvestres sem registro de compra ou autorização dos órgãos ambientais, pode realizar a entrega de maneira voluntária dos animais de sua posse à Adema, sem sofrer as sanções previstas no decreto, conforme Art. 24, § 5o do Decreto Federal 6.514/2008”, assegura o órgão. Durante a pandemia da Covid-19, a Adema avalia que o percentual de denúncias de casos de criação irregular de animais silvestres cresceu 100% em Sergipe. “Para a entrega voluntária, basta entrar em contato com a equipe plantonista pelo número 79 99191-5535. Também é possível entrar em contato pelo aplicativo ‘Adema: comece agora a cuidar da natureza e denuncie’, ou pelo site www.adema.se.gov. br, e ainda pelo instagram @ ademasergipe”, reforça.

Fonte: jornaldacidade.net
Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *