Quantidade de sites de compras maliciosos aumenta 178% antes da Black Friday

Proximidade da Black Friday e Cyber Monday atraem cibercriminosos


Nas últimas seis semanas, o número de sites maliciosos, relacionados a e-shoppings, cresceu cerca de 178% em comparação com a média em 2021. O aumento foi identificado por pesquisadores da Check Point Research (CPR), que observaram uma quantidade recorde de envios de falsas promoções via e-mail, com promessa enganosas de descontos de até 85% em diversos produtos.

PUBLICIDADE

O motivo por trás do crescimento na tentativa de golpes é a proximidade da Black Friday e da Cyber Monday, que acontecem em 26 e 29 de novembro, respectivamente, datas onde o comércio planeja grandes descontos para os consumidores. De acordo com a Check Point, mais de 5.300 sites maliciosos têm sido detectados por semana, o maior número desde o início do ano.

Entre os golpes descobertos pela empresa de cibersegurança, está um e-mail enviado da “Amazon. Aviso urgente “. Nele, o endereço eletrônico continha um domínio chinês e, no corpo da mensagem, um assunto em japonês que dizia “Notificação do sistema: Infelizmente, não foi possível renovar sua conta Аmazon” (traduzido do japonês). O link no e-mail levava a um site falso como site “Amazom. co. jp”, tanto no nome quanto no visual.

Em entrevista recente ao blog de Tecnologia e Games, o gerente de Engenharia de Segurança da Check Point Software Brasil, Fernando de Falchi, deu dicas de como não cair em falsas ofertas durante o período, que está repleto de tentativas de “phishing”. A prática consiste no cibercriminoso jogar uma “isca”, que pode ser via e-mail, SMS ou até mesmo um link enviado por perfis falsos em redes sociais, para atrair a vítima e levá-la a compartilhar dados bancários.

Confira dicas para se proteger de “phishing” durante o período de descontos:

  1. Cuidado com as pechinchas “boas demais para ser verdade”. Se a oferta ou promoção parecer BOA demais para ser verdade, provavelmente será falsa. Ou seja, um desconto de 80% no novo modelo do iPhone, geralmente, não é uma oportunidade de compra confiável.
  2. Nunca compartilhar as credenciais. O roubo de credenciais é um objetivo comum dos ciberataques. Muitas pessoas reutilizam os mesmos nomes de usuário e as mesmas senhas em muitas contas diferentes, portanto, roubar as credenciais de uma única conta, provavelmente, dará a um atacante acesso a várias contas online do usuário. Jamais compartilhe as credenciais de sua conta e não reutilize senhas.
  3. Suspeitar sempre de e-mails de redefinição de senha. Se o usuário receber um e-mail não solicitado de redefinição de senha, a orientação é sempre visitar o site diretamente (não clicar em links incorporados) e alterar sua senha para outra nesse site (e ser uma senha diferente de quaisquer outros sites). Ao clicar em um link, o usuário pode redefinir a senha dessa conta para algo novo. Não saber sua senha é, naturalmente, também o problema que os cibercriminosos enfrentam ao tentar obter acesso às suas contas online. Ao enviar um e-mail falso de redefinição de senha, eles intencionam direcionar o usuário a um site de phishing semelhante e podem convencê-lo a digitar as credenciais da sua conta e enviá-las para eles.
  4. Pressa e urgência, bandeira vermelha! As técnicas de engenharia social são projetadas para tirar vantagem da natureza humana, uma vez que é mais provável cometer um erro quando as coisas são feitas às pressas. Os ataques de phishing procuram representar marcas de confiança para evitar que suas vítimas potenciais suspeitem e para poderem clicar em um link ou abrir um documento anexado ao e-mail com mais facilidade.
  5. Procurar pelo ícone do cadeado. Deve-se evitar realizar compras online usando as informações de pagamento de um site que não tenha a criptografia SSL (Secure Sockets Layer) instalada. Para saber se o site possui SSL, procure o “S” em HTTPS, em vez de HTTP. Um ícone de um cadeado trancado aparecerá, normalmente à esquerda da URL na barra de endereço ou na barra de status abaixo.
  6. Atentar para os erros de ortografia. Marcas confiáveis não cometem erros de ortografia no corpo do texto, no nome do seu domínio ou na extensão da web que usam. Por esse motivo, qualquer e-mail com o nome da empresa digitado incorretamente (“Amaz0n” ou “Amazn” em vez de “Amazon”, por exemplo) é um sinal de alerta inevitável de que há uma tentativa de phishing.
  7. Ter ferramentas de proteção contra phishing. Não basta compreender os riscos desse tipo de ciberataque e suas principais características para se proteger. Por esse motivo, é essencial ter ferramentas de segurança de antiphishing, de endpoint e de e-mail que forneçam uma barreira à proteção contra essas ameaças.

Fonte: folhape.com.br
Foto: Freepik

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *