Sob avaliação: RN manterá festividades, apesar do surgimento da variante Ômicron

Fontes ligadas ao governo do Estado e município do Natal destacaram que a situação permanece sob avaliação, ouvindo o Comitê Científico, sem nenhuma definição quanto ao tema, seguindo o que acontece no Rio de Janeiro


Diferente de São Luiz, Fortaleza, João Pessoa, Salvador, Campo Grande, Palmas, Belém e o Distrito Federal, até esta terça-feira 30, Natal não tinha qualquer plano, no âmbito do Estado e do município, de cancelar as festividades do Réveillon e nem do Carnatal, que acontece de 9 a 12 de dezembro, por causa da variante Ômicron, detectada na África do Sul.

No entanto, tanto fontes ligadas ao Governo do Estado quanto ao município de Natal destacaram que a situação permanece sob avaliação, ouvindo o Comitê Científico, sem nenhuma definição quanto ao tema, seguindo o que acontece no Rio de Janeiro, onde as festividades seguem confirmadas, mas podendo sofrer alterações de última hora.

No município, permanece o encaminhamento tomado nesta segunda-feira 29, pelo Comitê Especial de Enfrentamento à covid-19, que considerou “cada vez mais rara a ocorrência de casos de óbito por covid”, ratificando que todos esses registros “estão sendo sistematicamente rastreados e seus contratantes testados pela atenção primária”.

Em relação à variante Omicron, detectada na África do Sul e já presente em outros países da Europa, o Comitê alegou que ainda “não há informações suficientes para avaliar sua transmissibilidade e virulência e que a maioria dos casos reportados foram leves”. E que todos os indicadores mostram estabilidade do cenário epidemiológico “não havendo alteração de indicação das medidas restritivas”.

O diretor Executivo do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS-UFRN), Ricardo Valentim, disse que, considerando o atual estágio de imunização no estado, “é muito mais seguro realizar agora um evento de massa do que foi no ano passado”.

Ele lembrou que, no ano passado, num cenário em que não havia imunização, “aconteceram megaeventos mais ou menos nesse período, inclusive, com a obrigação de todos participarem, que foram as eleições”.

Da mesma forma, acrescentou, “ocorreram grandes festas de Réveillon aqui mesmo no RN quando também não havia brasileiros vacinados, como em Pipa, São Miguel do Gostoso e não houve espalhamento de casos”.

Segundo Valentim, de lá para cá, houve uma redução gradativa de leitos de mais de 400 leitos de UTI para covid para 170 leitos com uma taxa de ocupação hoje em torno de 37%, “justamente por conta do processo de imunização”, afirmou.

Valentim também argumentou que, nesse meio tempo, foram registrados grandes eventos de massa todas as semanas no RN.

“Tivemos agora em Macaíba, com mais de 15 mil pessoas neste final de semana e outros grandes no litoral potiguar sem aumento de casos por causa da barreira sanitária, mantendo-se a redução dos pedidos de internação”, acrescentou.

Lembrou, ainda, que a nova variante é apenas mais uma de quatro mil que já existem já catalogadas e que a Ômicron, diferentemente da Delta, não registrou ainda nenhum óbito. “Trata-se de uma variante com sistemas leves, diferentemente da Delta, não indicando uma mudança de protocolo num estado turístico como o RN”, finalizou.

Países como África do Sul, Botsuana e Lesoto estão no centro da variante Ômicron da covid-19, apesar de a disseminação da nova cepa ainda ser muito incipiente e o número de casos relativamente pequeno, para que se tirem maiores conclusões.

Até ontem, a proporção de pessoas diagnosticadas com covid-19 que foram internadas na África do Sul nas últimas duas semanas é igual a de surtos provocados por outras cepas, disse Waasila Jassat, especialista de saúde pública no Instituto Nacional para Doenças Comunicáveis sul-africano, em uma entrevista coletiva. Nenhum país, no continente ou fora, confirmou até o momento mortes causadas pelo Ômicron.

Ainda nesta terça-feira 30 à tarde, dois casos (um homem e uma mulher de 37 e 47 anos), vindos da África do Sul, que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Guarulhos no último dia 25, foram diagnosticados com a nova variante Ômicron, com sintomas leves. ­­

Fonte: agorarn.com.br
Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *